domingo, 23 de dezembro de 2007

Muito Estranho

Autor:Franklin Morais Moura

Os túneis eram longos. De quarenta em quarenta metros encontravam-se com outros, variando de tamanho, mas todos eles davam para qualquer pessoa de mais ou menos dois metros caminhar normalmente. Eram construídos em rocha sólida, pareciam túneis de minas subterrâneas, exceto o piso que era polido e refletia como espelho. O lugar tinha pouca luz, na verdade eu não conseguia identificar de onde vinha a pouca luz existente naquele ambiente lúgubre.

Não sei há quanto tempo estava correndo, fugia como a caça foge do caçador. Parava, olhava mas todos os corredores pareciam iguais, um imenso labirinto.

Sentei-me no chão no intuito de recuperar o fôlego. Abracei os joelhos e pousei a cabeça sobre eles. Por que estou correndo assim loucamente? Sei que estou fugindo de algo, mas de que? Não conseguia lembrar-me de nada, nem do meu próprio nome. Já sei, tudo isto é um sonho! Disse a mim mesmo. Mas não podia ser sonho, tudo era real de mais. Belisquei-me para sentir minha presença e o fiz com tanta força que terminei sentindo muita dor. Dor, sim, agora lembrei-me de algo. Lembrei-me de gemidos de dor.

Meus pensamentos foram interrompidos por sons de passos, alguem se aproximava. Levantei rapidamente a cabeça e do meu lado surgiram três criaturas. Não me levantei, minhas pernas pareciam petrificadas, meu corpo todo estava paralisado. Seus rostos eram compridos com traços delicados, não tinham cabelos, a boca era redonda, eram de cor branca como a neve e magros, os dois membros superiores na altura do cotovelo se dividiam em mais dois e as pernas lembravam as de um elefante.

Fui arrastado por eles ainda em estado de choque por não entender nada do que me acontecia. Pararam em frente de uma parede espelhada como o piso que se abriu simplesmente desaparecendo. A passagem dava para outro corredor, com as paredes, o teto e o piso formando um hexágono. Continuei sendo arrastado, entramos finalmente em uma grande sala circular de teto côncavo e luminoso. Na sala, diversas camas que pareciam mais com mesas espalhavam-se ordenadamente com pessoas iguais a mim deitadas sobre elas. Estavam vivas, notavam-se pelos lentos movimentos que faziam seus corpos e, embora não estivessem amarradas, não queriam ou não conseguiam deixá-las.

Caminharam arrastando-me até o centro da sala onde jogaram-me em uma cama que parecia reservada para mim. Aplicaram algo em meu braço. Logo que saíram procurei levantar-me, mas foi inútil a tentativa, o corpo não obedecia ao comando da mente. Que fazer então? Continuava perdido, sem nada lembrar. Já não sabia como tinha vindo parar naquela cama, perto daquelas pessoas e tão longe ao mesmo tempo. E aquelas horríveis criaturas brancas que transitavam entre as camas?

Tiraram-me da cama e, como um mísero animal, levaram-me para outro cômodo, ao lado, de dimensões muito menores, fui colocado em outra cama e nela amarrado. O mais horrendo de todos aqueles seres aproximou-se de mim, tinha ferros nas mãos que por fios estavam ligados a uma máquina. Enfiaram algo em minha boca e encostaram aqueles ferros em minha cabeça. Milhares de agulhas percorreram todo o meu corpo e então não consegui ver mais nada.

Acordei numa cama no centro de uma enorme sala circular com teto côncavo e luminoso. Não sabia quem eu era. Tinha vontade de levantar-me e sair correndo mas não tinha forças. Tudo era estranho, muito estranho.

Salvador, fev/1982

4 comentários:

Wilma Rejane disse...

Querido esposo, sou sua admiradora
você consegue marcar a vida das pessoas pela sua alegria, garra,fé e determinação (em tudo que faz).
Agora, esse conto está mesmo muuuuuuuuito estranho!mas mesmo estranho está bom, tem até suspense.
Te amo! Que Deus continue a lhe abençoar. Sou grata a Ele pela sua preciosa vida.

Anônimo disse...

Franklin, você conseguiu escrever um conto de suspense, está bom mas se continuar a escrever ficará melhor ainda. Deus te proteja. Parabéns pela vitória no vestibular, agora tem duas cadeiras asseguradas, praticamente, na árdua profissão de professor, que me parece você abraçou com muito gosto e desempenha bem.
Muito grato também pelo saite (blog) e pelas lições. Era uma coisa que julgava não alcançar tão breve. Me deixou feliz e penso que você também está feliz por ter feito este gosto a seu velho pai.
Abraços.
Chico Miguel

master bx disse...

Franklin, esse seu conto tá parecendo aqueles sonhos malucos sem lógica que de quando em vez a gente tem. seu blog tá muito legal tá muito "fulereno".

Julio Seidenthal disse...

Desculpe,mas acho que você não resolveu bem o conflito, e se me permite, deve continuar o conto observando o mesmo.

Quem sou eu

Minha foto
Professor de Física - Química, Educação Física e Administrador.